Primeiro Veículo Elétrico testado pelo Latin NCAP: amigável com o meio ambiente, mas arriscado em termos de segurança
13.12.2022

O Programa de Avaliação de Veículos Novos para a América Latina e o Caribe, Latin NCAP, publicou hoje seu primeiro teste de um veículo elétrico (EV). O JAC E10x, também chamado de EJS1 e E-S1, mostrou um desempenho preocupante de zero estrela. Leia o relatório completo.

Como são avaliados os veículos elétricos

A avaliação de segurança dos veículos elétricos é focada – como nos veículos com motor de combustão interna – em adultos, crianças, pedestres/usuários vulneráveis das estradas (VRU) e tecnologias de assistência à segurança, utilizando o mesmo Protocolo de Avaliação, independentemente de seu tipo de motorização. No caso dos veículos elétricos a bateria (BEV), outros aspectos como o risco de choque elétrico e sistemas de corte de bateria são avaliados. Além disso, durante os preparativos do teste, algumas outras medidas devem ser consideradas, por exemplo, interruptores de corte de energia de emergência colocados em áreas de fácil acesso após o teste de colisão.

Normas de segurança para veículos elétricos

Em relação aos padrões de segurança para veículos elétricos, o mesmo acontece com outros veículos, os padrões de segurança na América Latina e no Caribe são muito fracos, estão pelo menos 20 anos atrás da Europa. Isso se reflete no resultado apresentado hoje pelo Latin NCAP, considerando também que os veículos elétricos devem, como qualquer outro automóvel, cumprir as normas de segurança. Pode haver alguns requisitos adicionais para os EV que não são necessários para carros de combustão interna, como o interruptor de corte de emergência para evitar o risco de choque elétrico. O JAC não cortou sua energia elétrica após o teste frontal como deveria ter acontecido se o corte de emergência estivesse presente e funcionando corretamente. Também no impacto lateral, o sistema de corte indicou que foi ativado, mas o carro ainda estava em movimento, de modo que a bateria ainda estava conectada e funcionando.

Algumas considerações técnicas

Os BEVs são tipicamente mais pesados que o mesmo veículo com motor de combustão interna, o que significa que a dinâmica em um teste de colisão – bem como no desempenho de condução, como Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC), Frenagem Autônoma de Emergência (AEB) e outras tecnologias ADAS – é afetada por uma massa maior e diferente centro de gravidade. As estruturas devem ser desenvolvidas para manter sua resistência à colisão com massa maior, assim como as estruturas devem ser desenvolvidas para evitar danos às baterias ou qualquer outra fonte de energia para o trem de força elétrico. A massa maior, assim como sua posição no veículo, afeta sua dinâmica em um teste de colisão, assim como seu desempenho em sua dinâmica real na estrada. É provável que o ESC, AEB e os sistemas de suporte de pista (LSS) precisem ser configurados para que seu desempenho seja o mesmo com um veículo mais pesado. Os freios e pneus também são afetados quando a massa de um veículo aumenta e o centro de gravidade muda. O desgaste dos pneus durante o teste ESC do JAC, que não é padrão na região para o JAC, foi tão severo que em certo ponto a avaliação teve que ser interrompida. Como o foco da avaliação é a segurança dos ocupantes e o VRU, bem como a assistência à segurança, o fato de o veículo ter um sistema de propulsão diferente não refletiria considerações especiais no processo de avaliação; entretanto, novos aspectos das avaliações poderão ser considerados em breve, além dos atuais, tais como os avisos sonoros necessários dos EVs quando não há motor de combustão interna.

Alejandro Furas, Secretário Geral do Latin NCAP, disse:

"A versão elétrica do JAC E10x, também chamado de EJS1 ou E-S1, é usada como táxi no México. O Latin NCAP compartilha preocupações ambientais em todo o mundo e está alinhada com todas as iniciativas relevantes para reduzir as emissões de CO2. No entanto, isto não deve ser motivo para desconsiderar a segurança dos veículos. Não deve ser uma questão de "limpo ou seguro", ambos os aspectos são relevantes e não devem competir um com o outro. Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU indicam tanto a segurança quanto o meio ambiente como aspectos-chave relevantes. Portanto, o status "amigável como o meio ambiente" não deve ofuscar a relevância da segurança do veículo. Há muitos modelos no mundo inteiro que têm emissões zero e oferecem um desempenho de segurança muito melhor do que este modelo JAC".

David Ward, Presidente Executivo da Towards Zero Foundation, disse:

"Atingir altos padrões de segurança e desempenho ambiental não são mutuamente excludentes. Há alguns desafios de segurança na mudança para veículos elétricos que a indústria automotiva pode e deve enfrentar se o objetivo de zero colisões e zero emissões na estrada quer ser alcançado".

Saul Billingsley, Diretor Executivo da Fundação FIA, disse:

"É profundamente decepcionante ver os fabricantes se aproveitarem do crescimento lucrativo do setor de veículos de baixa emissão às custas da segurança. Os danos causados pelos veículos de combustão interna são triplicados: lesões violentas em acidentes, poluição tóxica do ar e impacto climático no longo prazo, mas a melhoria em uma área não deve ser às custas de outra. Os veículos elétricos podem e devem ser projetados para serem seguros, limpos e ecologicamente corretos".
 



Acerca do Latin NCAP

O Programa de Avaliação de Carros Novos para a América Latina e o Caribe (Latin NCAP) foi lançado em 2010 para desenvolver um sistema regional independente de testes de colisão de veículos e de qualificação de segurança na região. O Latin NCAP replica programas de testes de consumidores similares desenvolvidos nos últimos trinta anos na América do Norte, na Europa, na Ásia e na Austrália, que demonstraram ser muito eficazes na melhora da segurança dos veículos. Desde 2010, o Latin NCAP vem publicado os resultados de mais de 150 veículos. www.latinncap.com/po/resultados

O Latin NCAP agradece o apoio recebido pelo Global New Car Assessment Programme (Global NCAP), pelo International Consumers Research and Testing (ICRT), pela FIA Foundation, pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pela Bloomberg Philanthropies Global Road Safety Initiative. O Latin NCAP é membro associado do Global NCAP e apoia o Decênio de Ação das Nações Unidas para a Segurança Viária e à iniciativa Stop the Crash.