Resposta do Latin NCAP à declaração da Renault Brasil sobre o teste
13.09.2021

Os protocolos do Latin NCAP foram atualizados no final de 2019. A Renault sabia disso e, portanto, em nossa opinião, patrocinou um teste Duster em 2019 contra o relógio, quando a versão de produção local ainda não estava disponível. A Renault patrocinou o teste com versões romenas do Duster que estavam sendo vendidas no Chile na época. A Renault queria chegar a tempo com o protocolo anterior para obter um resultado não tão ruim. Desde 2016, o Latin NCAP reporta sobre o novo protocolo 2020 e a Renault, como as demais marcas, participou dos encontros.

Na avaliação, o Latin NCAP não menciona que o modelo não atende às normas exigidas pelo governo, nem que é ilegal, mas que apresenta baixa segurança em relação aos nossos critérios. Do nosso ponto de vista, a Renault deixa implícito que a segurança exigida pelo governo não está ao nível do que é exigido na Europa. O ESC mostrou algumas oscilações preocupantes no vídeo do teste realizado pelo Latin NCAP. O Alerta de ponto cego é opcional, não padrão.

A Renault não oferece airbags de cortina e airbags laterais nem como opção; sendo, ao contrário, padrão na Europa, mesmo que não fossem obrigatórios. Na Europa, os airbags de cortina só foram exigidos por lei em 2019, antes eram oferecidos como padrão.

Em comparação com o velho Duster, sim, houve algum progresso. Se medido contra os concorrentes SUV ou compactos cinco estrelas, claramente Duster (e ainda mais esta nova versão) deixa muitas decepções. Principalmente porque os equipamentos de segurança são uma questão de decisão comercial, tudo já foi desenvolvido. A Renault com o Sandero no Brasil novamente “desenvolveu” um airbag local menor que o antigo Sandero europeu em 2019, que é o mesmo airbag da versão colombiana do Sandero (avaliado em 2019). Ela desenvolveu algo novo localmente, menor, talvez mais barato, para regredir em segurança, mas sem perder o desempenho no teste.

O Latin NCAP indicou repetidamente que existem aqueles fabricantes que se desenvolvem para atender aos requisitos de 3, 4 e 5 estrelas (às vezes apenas) e outros que se desenvolvem para fornecer proteção robusta para ocupantes e pedestres. Em nossa opinião, a Renault, no momento, é do primeiro tipo.